sábado, 27 de julho de 2013

Funcionário de funerária se choca ao receber família com joelho amputado




Funcionário de uma funerária em Poá, Davi Adelino de Almeida levou um grande susto na quinta-feira (19) ao receber a visita de uma família que pedia o sepultamento do joelho amputado de um parente. “Eles vieram aqui com o joelho numa caixa e eu fiquei chocado. Isso não existe, o hospital jamais poderia ter liberado o membro para a família, isso é sempre tratado direto conosco. A gente vê de tudo nessa vida”, conta. Os parentes do paciente José Evangelista dos Santos, que teve o joelho amputado na Santa Casa de Suzano, conseguiram sepultar o membro na quinta-feira (18) após receber o joelho no hospital no dia anterior.

Para a esposa do paciente, Lindalva Batista dos Santos, o sepultamento foi um alívio. "Graças a Deus eu consegui enterrar esse joelho. O hospital errou e espero que isso não aconteça com outra pessoa. Nós não sabíamos mais onde colocávamos esse joelho", diz. O joelho de Santos foi retirado durante uma cirurgia na terça-feira (16) por causa de uma inflamação no osso. No mês de junho, ele já havia passado por cirurgia para retirar a parte inferior da mesma perna por causa da doença.

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), "um órgão amputado somente deve ser repassado ao paciente ou aos familiares caso esses tenham requisitado o membro. Caso contrário, compete ao Serviço de Saúde o descarte desse membro". Segundo a Agência, um relatório cirúrgico deve ser elaborado, assinado pelo médico responsável pela amputação, para fins de sepultamento.

O G1 também entrou em contato com a Secretaria Estadual de Saúde e aguarda um posicionamento sobre quem paga as taxas para enterro de membros em hospitais públicos: se a família ou a unidade.

Na Santa Casa de Mogi das Cruzes, segundo a diretoria, o médico que fez a cirurgia assina um documento, que é encaminhado diretamente à funerária, responsável pelo sepultamento. A família não é envolvida em nenhuma parte do processo e nem precisar pagar taxas.

De acordo com Almeida, funcionário da funerária, apenas uma autorização de amputação foi apresentada pela família, mas ele diz que em caso de membro é normal isso ocorrer. "Nós precisamos de atestado apenas se for um feto ou uma pessoa que morreu mesmo", diz. Almeida ainda explicou que a diferença é que geralmente a família leva o documento e a funerária busca o membro diretamente no hospital.

O chefe de serviços funerários de Poá, Rodrigo Abeltino, explicou, porém, que o procedimento para membros amputados é o mesmo para o de um corpo. O membro é entregue para a funerária, que dá entrada na administração do cemitério e é cobrada a taxa de sepultamento. É preciso que seja apresentado um documento assinado pelo médico para que o sepultamento seja autorizado.
Contudo, no caso do joelho de José Evangelista, apenas a autorização de amputação foi suficiente para que ele fosse enterrado. Sobre isto, a Prefeitura alega que “o enterro do membro foi feito com base na liberação e documentação feita pela funerária."

Custos
“Normalmente nós usamos urnas infantis, mas como o joelho já estava em uma caixa não precisamos usar”, comenta Davi. Com isto a família evitou gastar cerca de R$ 150 para a aquisição da urna. “Em momento nenhum o hospital entrou em contato conosco. Eu abri a caixa, o joelho é pequeno, o próprio hospital teria condições de se desfazer”.

Funcionários da funerária levaram o membro amputado para o Cemitério Municipal da Paz, na mesma cidade. Ali, como a família também conseguiu a emissão de um atestado de isenção de taxa emitido por assistentes sociais, devido à baixa renda, não precisaram pagar a taxa de sepultamento, que é de R$ 51. Segundo a administração do cemitério, membros amputados são sepultados na ala infantil.

A Santa Casa de Suzano informou nesta sexta-feira (19) que quando o paciente sofreu a primeira amputação a família foi orientada e recebeu a documentação necessária para dar andamento aos procedimentos e a funerária retirou o membro na unidade. Já na segunda cirurgia, segundo o hospital, "os familiares receberam a mesma orientação, no entanto compareceu à unidade o filho do paciente que recebendo as devidas orientações, manifestou que ele mesmo iria levar o membro amputado até a funerária para dar prosseguimento ao sepultamento. Em momento nenhum o filho do paciente ou qualquer membro da família recebeu orientação para levar o membro para casa, uma vez que todos já haviam passado pela mesma situação um mês antes."

Procedimento correto
De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) , "os resíduos dos serviços de saúde devem ser gerenciados conforme os procedimentos estabelecidos pela Resolução da Diretoria Colegiada – RDC Anvisa n. 306/2004, assim como pela Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente, n. 358/2005". A agência ainda informou que em caso de membro amputado, após o registro no local de geração, deve ser encaminhado para sepultamento em cemitério ou para tratamento térmico por incineração ou cremação, em equipamento devidamente licenciado.

Entenda o caso
O joelho de José Evangelista dos Santos foi retirado durante uma cirurgia na Santa Casa de Suzano na terça-feira (16) por causa de uma inflamação no osso. Segundo a família, o membro foi entregue sem nenhuma explicação por uma enfermeira na quarta-feira.

“Eles ligaram na quarta-feira (17), pedindo para irmos à Santa Casa. O meu filho foi até lá e chegou em casa com o joelho na caixa. Ele disse que uma funcionária pediu para ele assinar um papel, mas não disse o motivo. Depois entregou a caixa para ele”, contou Lindalva.

O filho, Wellington dos Santos explicou que o papel que ele assinou era uma autorização de amputação. "Assinei este documento e ela me entregou a caixa", detalhou.
Lindalva também disse que ainda que ligou no 190 e o policial ficou espantando com a pergunta. “Eu expliquei a situação e perguntei o que faria com o joelho. O policial disse que eu não devia ficar com ele e disse para eu ligar para o Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (Samu) e denunciar o caso para a imprensa.”

De acordo com a família, José Evangelista dos Santos foi atropelado em 2000. Desde então, ele sofre de osteomelite aguda, que é a inflamação aguda dos ossos, em uma das pernas. Lindalva Batista dos Santos contou que em 12 de junho de 2013 ele amputou a perna na Santa Casa de Suzano. “Os médicos preservaram o joelho para ele usar uma prótese, mas no dia 24 de junho ele foi internado com a doença no joelho também”. Então, no dia 16 de julho, foi feita no hospital a amputação do joelho.

As duas cirurgias foram feitas na unidade 2 da Santa Casa, segundo a família, mas o paciente está internado na unidade 1, para onde voltou depois de cada operação. Ela destacou que na primeira amputação o procedimento foi outro. “Eles nos deram um papel para levarmos até a funerária que depois foi buscar a perna na Santa Casa e, então, fizemos o sepultamento.”


Data de Publicação:  19/7/2013    Fonte: do G1 Mogi da Cruzes e Suzano